Especialidades

A distonia é uma desordem neurológica que se caracteriza por espasmos musculares involuntários que produzem movimentos repetitivos e postura anormal. Os espasmos podem afetar pequenas partes do corpo, como olhos, pescoço ou mãos (distonia focal), duas partes vizinhas como pescoço e braço (distonia segmentar), um dos lados inteiros do corpo (hemidistonia) ou todo o corpo (distonia generalizada).

As causas da distonia ainda são desconhecidas, entretanto, algumas teorias tentam explicar o seu surgimento. Acredita-se que a distonia primária, que não é consequência de nenhuma outra doença ou lesão, é causada por uma patologia no Sistema Nervoso Central. A parte do cérebro afetada é aquela responsável pela função motora. A distonia crônica também pode apresentar um fator genético para o seu aparecimento. 

A distonia secundária é causada por doenças ou acidentes que...
Saiba mais

Calcula-se que existam cerca de 25 milhões de pessoas no mundo que sofram deste mal e aproximadamente 1 milhão somente no Brasil. As causas da doença ainda são desconhecidas, mas parece haver uma predisposição genética para seu aparecimento. Nesses casos, os primeiros sintomas podem aparecer precocemente, por volta dos 50 anos. Apesar de incurável, um tratamento médico correto pode melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

A Doença de Alzheimer provoca o declínio das funções intelectuais dos pacientes e reduz sua capacidade de trabalho e convívio social e causa mudanças em sua personalidade e comportamento. A doença costuma afetar os pacientes de maneiras diferentes, contudo existem muitas semelhanças entre os sintomas. A enfermidade é dividida em quatro estágios:

  • Estágio I (forma inicial) - perda de memória, alterações na personalidade e...
    Saiba mais

A Doença de Parkinson (DP) é uma doença que afeta o sistema motor do paciente e é resultado da morte das células cerebrais que produzem dopamina, responsáveis por controlar os impulsos conscientes vindos do córtex cerebral até todos os músculos do corpo. Ao contrario do que muitos pensam a Doença de Parkinson não afeta a memória ou capacidade intelectual de seus portadores.

É a segunda doença degenerativa mais comum no mundo e foi descrita pela primeira vez pelo médico inglês James Parkinson em 1817. Os quatro sintomas primários da doença são: tremedeira nas mãos, braços, pernas, queixo e face; rigidez dos troncos ou membros; lentidão para realizar movimentos e diminuição do equilíbrio e coordenação motora. É sabido que o aparecimento de tais sintomas só ocorre quando cerca de 80% dos neurônios já estão mortos.
As pessoas com mais de 50 anos de idade são os mais...
Saiba mais

A Cefaleias, popularmente conhecida como dor de cabeça, é a sensação de dor na cabeça, face ou pescoço. Existem mais de 150 tipos de cefaléias divididas em dois principais subtipos: as primárias, mais comuns, e as secundárias. As Cefaléias primárias são aquelas que não se originam de alguma patologia, são elas mesmas a doença e o sintoma.

As Cefaleias primárias podem não apresentar uma causa especifica, sendo geralmente causadas por distúrbios bioquímicos do próprio cérebro. Outra causa muito comum da Cefaléia atualmente é a tensão muscular. Com a vida atribulada e estressante que levamos é muito comum que tencionemos os músculos durante o dia, o que pode desencadear crises de dor de cabeça. Esse tipo de Cefaléia pode durar desde horas ou até mesmo dias, dependendo do caso.

Já as Cefaleias secundárias são sintomas de alguma outra patologia, como por exemplo:...
Saiba mais

A enxaqueca é uma forma de cefaleia vascular causada por um desequilíbrio no cérebro e envolve uma série de reações químicas. Existe ainda um fator hereditário que contribui para o surgimento das crises nos pacientes. A incidência da enxaqueca é de cerca de 6% na população masculina e de 18% na feminina.

As crises de enxaqueca podem durar de 4 a 72 horas e vão de moderadas a intensas. Os principais sintomas são: dor pulsante de um lado da cabeça, náuseas e vômitos, sensibilidade à luz ou sons e em alguns casos podem as crises podem ser precedidas pela aura.

A aura é uma manifestação que precede a dor e dura em média 5 a 20 minutos. Durante este período a pessoa pode experimentar sensações como distúrbios visuais semelhante a luzes piscando, flashes, visão borrada, alteração de sensibilidade em partes do corpo, percepção de cheiros e objetos...
Saiba mais


Outras Especialidades

A esclerose múltipla (EM) é uma doença neurológica crônica e que tem maior incidência em mulheres brancas e é mais comumente diagnostica entre os 20 e 40 anos de idade.

Sua causa ainda permanece desconhecida, assim como uma cura definitiva. A esclerose múltipla provoca a perda de mielina, substância que envolve e protege os nervos. Quando o nervo está desprotegido ele para ou desacelera seus impulsos.

O paciente com esclerose múltipla pode ter uma grande variedade de sintomas e as crises da doença podem durar de dias até meses, seguida por períodos sem apresentação de sintomas.

Os sintomas mais comuns são:

  • Ataxia (membros superiores e inferiores se movimentam involuntariamente);
  • Movimentos irregulares dos olhos;
  • Inflamação do nervo óptico;
  • Depressão e perdas de memória.
  • Dificuldade na...
    Saiba mais

A espasticidade é uma manifestação muscular e motora que causa uma rigidez espástica. Essa rigidez impede ou retarda a mobilidade de uma ou mais partes do corpo.

O acidente vascular cerebral (AVC), popularmente conhecido como "derrame cerebral" é uma causa da espasticidade. Traumatismos cranianos, cirurgias para retirada de tumores e malformações vasculares cerebrais também podem ocasionar uma lesão cerebral que leve a um quadro de espasticidade. Nesses casos, alguns fatores contribuem para um maior ou menor grau de rigidez muscular, tais como: o grau de acometimento da região, frequência com que é realizada a reabilitação para se evitar sequelas, etc.

Existem dois tipos de AVC, os isquêmicos e os hemorrágicos. O Isquêmico é causado pela falta de circulação em uma determinada área do cérebro, provocada pela obstrução de uma ou mais artérias cerebrais. Seus sintomas...
Saiba mais

A paralisia cerebral infantil é uma desordem neurológica que afeta o tônus muscular, a movimentação e a coordenação motora. Essa condição ainda pode provocar problemas na visão, fala e audição, além de dificuldades de aprendizagem.

A paralisia cerebral é geralmente causada por problemas antes ou durante o parto ou pode se desenvolver até o 5 anos de idade. Nessa fase, o cérebro das crianças é muito suscetível a lesões. As causas mais comuns são: infecções cerebrais, alteração na circulação cerebral, traumatismos, falte de oxigenação, deficiências na formação do sistema nervoso central, parto prematuro ou tardio, alergia a medicamentos, entre outras.

Veja na lista abaixo os sinais de alerta para detectar a paralisia cerebral infantil:

  • Dificuldade para comer ou manusear alimentos
  • Contratura exagerada nos braços e nas...
    Saiba mais

A paralisia facial é uma condição que se caracteriza pela paralisação dos músculos da face. Isso ocorre quando o nervo facial, que controla os músculos da face, ou a parte do cérebro que controla esse nervo, não está funcionando direito. Existem dois nervos faciais, um em cada lado do rosto, geralmente apenas um deles é afetado causando paralisia de um dos lados da face.

A paralisia mais comum é a de Bell, causada por um quadro infeccioso e de caráter geralmente temporário. Algumas outras condições podem gerar um quadro de paralisia facial, tais como: traumas, acidentes, batidas no lado da cabeça ou face, tumores ou fatores congênitos presentes no nascimento.  Em todos os casos, ocorre uma inflamação do nervo facial e seu mau funcionamento.

O aparecimento dos sintomas é repentino e geralmente ocorre durante a noite. As principais características da paralisia facial...
Saiba mais

A transpiração é a forma com que o corpo regula a sua temperatura, especialmente durante atividades físicas ou em ambientes mais quentes. A sudorese é regulada pelo sistema nervoso e produzida pelas glândulas sudoríparas. Em alguns casos a hiperatividade dessas glândulas produz o que chamamos de sudorese excessiva ou hiperidrose. Esse quadro se caracteriza pela transpiração em excesso e pode afetar todo o corpo ou apenas a região palmar das mãos, planta dos pés, axilas, região inframamária, inguinal ou craniofacial.

Essa condição afeta cerca de 1% da população, e apesar de não se tratar de doença grave causa bastante desconforto e constrangimento para seus portadores. A vida social e profissional é afetada e muitas pessoas passam a tentar esconder esse problema.

A sudorese excessiva pode ser primária ou secundária, normalmente associada ao hipertireoidismo,...
Saiba mais